Execuções sumárias

Aposentado é morto por tenente da PM apenas por ter feito “um gesto brusco”, em Parada de Taipas (zona norte de São Paulo)

Voltar
 

Data: 26 de agosto de 2004
Local: Parada de Taipas, zona norte de São Paulo
Vítima: Geraldo Hércules Diniz, 55 anos
Agente do Estado: um tenente da Polícia Militar, lotado na ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) e indiciado por homicídio culposo

Relato do caso: Geraldo Hércules Diniz, de 55 anos, escriturário aposentado, era portador de Aids, tomava calmantes e coquetel anti-HIV e, quando ingeria também bebidas alcoólicas, ficava agressivo. Às 20hs30 do dia 26 de agosto, Geraldo discutiu com sua ex-mulher e, descontrolado, atirou para o alto com uma velha espingarda 28, herança de seu pai, e que continha um só projétil. Não acertou ninguém, felizmente e, mais calmo, desceu e atirou no jardim a espingarda.

Os vizinhos, no entanto, tendo ouvido o tiro, chamaram a polícia. Geraldo estava em frente de seu edifício (Cohab Taipas), com o filho Adriano, motorista, de 23 anos, na Avenida Elísio Teixeira Leite, em Parada de Taipas, zona norte de São Paulo. Os policiais perguntaram a Adriano se era ele quem havia atirado; ele explicou que o tiro havia sido disparado pelo pai e apontou-o. Imediatamente o tenente da PM acertou um tiro no peito de Hércules. Levado para o pronto-socorro, morreu lá.

Situação da investigação: O tenente da PM lotado na ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) declarou que desfechou o tiro porque Hércules havia feito um “gesto brusco” e ele “imaginou que a vítima fosse sacar uma arma” (Folha de S. Paulo, 28/08/2004). O tenente foi indiciado apenas por homicídio culposo (isto é, sem intenção de matar). Ele e os três subordinados que o acompanhavam iriam ficar presos por apenas cinco dias, em prisão administrativa.

O coronel corregedor da Polícia Militar afirmou que o tenente da PM responderá a inquéritos civil e militar. Ele já havia sido acusado e absolvido de envolvimento em três mortes, em 1999 e 2000 (Diário de S. Paulo, 28/08/2004).

Fontes: Folha de S. Paulo, 28/08/2004; Diário de S. Paulo, 28/08/2004