EXECUÇÕES SUMÁRIAS

Guarda civil metropolitano mata dois homens a tiros em uma tentativa frustrada de assalto em Guaianases (zona leste de São Paulo)

Voltar
 

 Data: 11 de outubro de 2005
Local:
Rua Saturnino Pereira, em Guaianases, zona Leste de São Paulo
Vítimas: Josimar Araújo Silva, de 18 anos, e Rodney Vicente Santana, de 30 anos
Agente do Estado: Um guarda civil metropolitano (GCM)

Relato do caso: Já se foi o tempo em que a Guarda Civil Metropolitana era meramente a polícia administrativa do município, destinada à proteção do seu patrimônio, geralmente sem portar arma de fogo. Hoje os guardas civis andam armados e policiam a cidade mais ou menos no mesmo estilo das outras polícias: colocando em primeiro lugar a inviolabilidade do sagrado direito à propriedade privada, nas condições de uma sociedade profundamente desigual como a nossa.

Foi neste contexto que Josimar Araújo Silva, de 18 anos, e Rodney Vicente Santana, de 30 anos, um deles portando um revolver calibre 38, abordaram o guarda civil metropolitano que estava à paisana e tinha acabado de chegar em frente de casa, na rua Saturnino Pereira, em Guainases (zona leste de São Paulo), com sua picape Ford Ranger. Emerson desceu do veículo e em seguida Josimar e Rodney entraram na picape. Quando os dois rapazes preparavam-se para dar a partida, o guarda civil metropolitano, sacou uma arma e atirou nos dois.

Conforme a versão policial, houve tempo do guarda civil identificar-se, dar voz de prisão e ordenar que a dupla descesse da picape antes que fossem dados os tiros. Segundo ainda a versão da polícia, um dos homens, dentro da picape, teria feito um disparo a esmo, provocando a reação  do guarda civil metropolitano de disparar a arma. Ainda segundo essa versão, um dos dois rapazes, mesmo baleado, tentou guiar a picape mas acabou batendo em um poste alguns metros adiante.

Os dois únicos órgãos de imprensa que noticiaram a tentativa frustrada de assalto não informaram quantos disparos foram feitos pelo guarda civil metropolitano nem em que parte do corpo os dois homens foram baleados. Noticiaram apenas que Josimar e Rodney foram levados ao pronto-socorro do Hospital Geral de Guaianases. Mas, a exemplo de casos semelhantes, Josimar não resistiu aos ferimentos e morreu. Já Rodney, sabe se lá por qual motivo, foi transferido para o Hospital Santa Marcelina, em Itaquera, e se encontrava em estado grave quando o jornal publicou a notícia (Diário de S. Paulo, 12/10/2005). Entretanto, a matéria veiculada pela Globo News, em 11/10/2005, dia da ocorrência, já anunciava a morte dos dois homens, especificando que ambos “foram levados para o Hospital de Guaianases, onde morreram” (Globo News, 11/10/2005).

Sobre Rodney sabe-se apenas que ele nasceu no Rio de Janeiro e era procurado pela Justiça desde agosto de 2005 por ter fugido do Instituto Penal de São José do Rio Preto, onde cumpria pena por homicídio, porte de entorpecentes e roubo. Já Josimar, não tinha passagem nenhuma pela polícia (Globo News, 11/10/2005). Não se sabe também se algum parente das vítimas foi ao IML reconhecer os corpos.

Situação da investigação: O caso foi registrado no 44º Distrito Policial (DP) apenas como “roubo de veículo”. Quanto à morte de Josimar Araújo Silva, de 18 anos, e Rodney Vicente Santana, de 30 anos, tudo indica que, mais um vez, nada será investigado. É a isso que a Anistia Internacional chama de “alto grau de letalidade” das polícias no Brasil.

Fonte: Diário de S. Paulo, 12/10/2005; e Globo News, 11/10/2005